Livro de Mágoas (Florbela Espanca)

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011 |


O Livro de Mágoas, a primeira obra de Florbela Espanca foi editado em junho de 1919 por Raul Proença, intelectual e crítico literário conceituado e influente, que reconheceu o talento da jovem poetisa quando ela lhe enviou um caderno contendo onze poesias de Trocando Olhares e apropriadamente chamado Primeiros Passos, em julho de 1916. Depois de os poemas serem corrigidos pelo crítico, Florbela escreveu-lhe, de novo, acerca das críticas que ele lhe fizera e enviando mais alguns sonetos, que vieram integrar o Livro de Mágoas. Como em toda a sua produção poética publicada em vida, os sonetos aparecem alterados, por vezes, drasticamente.

No Livro de Mágoas, dedicado ao seu pai, o seu melhor amigo, e à alma que considera irmã da sua, o seu irmão, Florbela centrou-se na temática da mágoa, da dor e da saudade, inserindo-se, desde o início da obra, num contexto decadentista e, por vezes, tortuoso. À obra, que abre com uma epígrafe a Eugênio de Castro e a Verlaine, não falta o tom finissecular, dado pela tendência para chorar e lamentar-se que se manifestou ao longo da obra, que incluiu sonetos como Vaidade, Neurastenia, Castelã e Em Busca do Amor.

Abordando igualmente a temática do sonho, Florbela definiu para si um espaço poético único, isto é, fez do Livro de Mágoas um espaço poético com características muito peculiares. Ela o quis, no fundo, como um espaço de comunicação entre os tristes e magoados, intenções que lembram Antônio Nobre e o seu Só, e que a poetisa expôs logo no primeiro soneto, Este Livro….

Fonte: Passeiweb

ESTE LIVRO ...

Este livro é de mágoas. Desgraçados
Que no mundo passais, chorai ao lê-lo!
Somente a vossa dor de Torturados
Pode, talvez, senti-lo ... e compreendê-lo.

Este livro é para vós. Abençoados
Os que o sentirem , sem ser bom nem belo!
Bíblia de tristes ... Ó Desventurados,
Que a vossa imensa dor se acalme ao vê-lo!

Livro de Mágoas ... Dores ... Ansiedades!
Livro de Sombras ... Névoas e Saudades!
Vai pelo mundo ... (Trouxe-o no meu seio ...)

Irmãos na Dor, os olhos rasos de água,
Chorai comigo a minha imensa mágoa,
Lendo o meu livro só de mágoas cheio!

http://www.4shared.com/document/3jnV1xb2/Florbela_Espanca_-_Livro_de_Mg.html

Marcello M.

0 comentários: