Neuromancer (William Gibson)

segunda-feira, 3 de maio de 2010 |


Um hacker renegado, uma samurai das ruas, um fantasma de computador, um terrorista psíquico e um rastafari orbital num thriller sexy, violento e intrigante. De Tóquio a Istambul, das estações espaciais ao não-espaço da realidade virtual, o tenso jogo final da humanidade contra as Inteligências Artificiais... Evoluindo de Blade Runner e antecipando Matrix, Neuromancer é o primeiro - e ainda hoje o mais famoso - livro de William Gibson. É considerado não só o romance que deu origem ao gênero cyberpunk, mas também o seu melhor representante.
Era capaz de permanecer ligado e, ao mesmo tempo, ter consciência do corpo, logo a seguir um longo período de concentração como a que uma operação deste tipo sempre exigia. A descoberta do roubo do spectrom da Rede Sense poderia levar dias. A chave para a descoberta seria o desvio da transferência de Los Angeles que, de maneira suspeita, coincidiria com o ataque terrorista dos Modernos. Duvidava que os três seguranças, que Molly encontrara no corredor, alguma vez vivessem para poderem contar o que quer que fosse. Regressou ao sensorium de Molly. O elevador, com a caixa preta de Molly fixada junto do painel de controle, continuava onde ela o deixara. O guarda ainda jazia enrascado no chão. Case reparou, pela primeira vez, no dermadisco aplicado no pescoço do homem. Molly tinha tomado as medidas necessárias para que ele não voltasse a si tão cedo. A moça passou por cima do corpo e retirou a caixa preta, antes de apertar o botão térreo. Quando a porta se abriu com um silvo, uma mulher destacou-se da multidão, recuando para dentro do elevador; aí começou a bater com a cabeça na parede do fundo.Sem prestar a mínima atenção, Molly abaixou-se para extrair o dermadisco do pescoço do guarda. Em seguida, chutou as calças brancas e a gabardina cor-de-rosa pela porta afora, atirou os óculos escuros atrás delas e puxou o capuz da roupa por cima da cabeça até a testa. O spectrom, dentro do bolso da frente, enfiava-se pelo seu esterno quando se mexia. Saiu, finalmente, do elevador para o hall. Case já havia observado pânico antes, mas nunca num espaço fechado.
http://www.4shared.com/document/WLwaCOfd/William_Gibson_-_Neuromancer.html

Marcello M.

0 comentários: